A Constelação Sistêmica Familiar e as leis que regem nossa vida

Antes de iniciar, é importante que você saiba, essas Leis acontecem independente de você acreditar nelas, elas regem as dinâmicas das relações a partir do inconsciente.

Constelação Sistêmica Familiar , como o nome já diz é uma técnica que abrange inúmeros sistemas, trazida por Bert Hellinger ao mundo e desenvolvida por ele, essa técnica traz consigo a experiência fenomenológica de entrar em contato com memórias morfogenéticas e inconscientes que estão presentes dentro de um sistema.

Aqui podemos considerar um sistema como qualquer organização de uma ou mais pessoas que contenham vida, então você com sua própria história já constitui um sistema, sua família, seu trabalho, suas relações, tudo isso são sistemas que contém memórias atuais, ancestrais e inconscientes.

Dentro de uma sessão de Constelação é possível encontrar respostas para alguns bloqueios que podem estar acontecendo na sua vida atualmente e ela tem um passo a passo para acontecer.

O principal movimento é reconhecer quais das 3 leis sistêmicas estão sendo desrespeitadas, que são elas:

Lei do Equilíbrio ou Lei do Dar e Receber

A Lei do Equilíbrio por si já diz muito, mas se aqui vamos aprofundar no assunto, é preciso deixar claro que nem sempre o equilíbrio entre as partes será prescrito como 50% seu e 50% meu, tudo depende dos acordos que existem dentro de cada relação.

Essa Lei fala sobre as trocas de afeto e responsabilidades que criamos quando nos relacionamos, conosco ou com o outro, onde ela precisa estar literalmente em equilíbrio perfeito como em uma balança para que essa relação flua da melhor e mais elevada forma para ambas as partes.

E no meio dessa fluidez assumindo de maneira segura as responsabilidades pré estabelecidas no acordo inicial, o tempo todo lei do equilíbrio pode mudar diante das circunstâncias da vida ou se os acordos iniciais estiverem desconfortáveis para alguém que estabelece as relações, a Lei do equilíbrio também te convida a exercer o diálogo sincero e a compaixão pelo momento do outro.

Se uma das partes não consegue dar a porcentagem pré-estabelecida e isso não for o suficiente para quem está recebendo, naturalmente essa relação chega ao fim. Dou-lhes aqui um exemplo clássico:

Um homem e uma mulher resolvem se casar, mas emocionalmente ele ainda está muito conectado a sua mãe e por aqui segue indisponível para se relacionar e constituir família, porque ainda não consegue assumir seu papel de adulto.

Sua esposa sente falta da parcela dele de responsabilidade em se abrir para essa relação e caso isso não aconteça, ela pode seguir entregando a parte dela, mas em algum momento essa relação não sustentará esse desequilíbrio de disponibilidade emocional.

Lembrando que esse é um dos inúmeros exemplos que podem ocorrer a quebra dessa Lei, um dos locais mais comuns que podemos ver é na área financeira das relações.

Lei da Ordem

A Lei da Ordem é um dos princípios que regem toda a teoria da Constelação, ela fala sobre respeito e honra. Respeitar quem veio antes e honrar duas histórias.

Mas é muito importante lembrar que respeitar e honrar, é diferente de conviver e fechar os olhos para as nossas próprias feridas diante desses passados.

A ordem é mais um convite para que você não saia do seu lugar no sistema, visto que é muito comum assumirmos papéis de outras pessoas para que a paz volte ou para que o sistema sobreviva a grandes ausências ou tragédias.

Quando estamos em sessão, a Lei da Ordem se apresenta com mais clareza, pois ali é um diálogo da sua alma com a alma dos seus ancestrais.

Aqui também podemos refletir sobre a compaixão e a aceitação da história, se permitindo reescrevê-la no presente, mas sempre reconhecendo que outras pessoas abriram caminhos para você pudesse descrevê-la de outra maneira.

Lei do Pertencimento

Lei do Pertencimento levanta um alerta da não exclusão, você não tem o direito de excluir e julgar ninguém, pois por trás de cada fato há algo maior e inconsciente que nos leva a determinados caminhos.

Há órgãos e pessoas direcionadas para julgar os fatos, essa lei anda de ladinho com a lei da Ordem no quesito respeitar a história como ela foi, pois o passado é intocável, nada podemos fazer por lá, mas podemos fazer muito aqui no presente e mais ainda no futuro da nossa árvore genealógica.

Bert fala que todo ser humano nasce com o direito nato de pertencer e de fazer parte da história, um dos principais movimentos dentro de uma Constelaçao é a inclusão de pessoas e memórias que foram esquecidas ao longo da jornada, é bastante comum quando acontecem adoecimentos mentais na família, mortes precoces, repetidas, assassinatos, abortos ou outros fatos que tornam segredos e tabus familiares.

Todos precisam ser vistos, caso contrário, os membros do sistema desenvolvem sintomas para honrar e se reconectar com esse ancestral que não pode ser incluído antes.

Espero que você tenha gostado deste conteúdo, te espero para os próximos.

Com amor e respeito,

Maiara Coutinho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Foto sobre 1

Bem vinda!

Sou Maiara Coutinho e enquanto psicoterapeuta e consteladora sempre busco transbordar em compaixão e verdade por aqui!

Olá, vamos conversar?